Existem diversas maneiras de se conectar redes de computadores, mas os dispositivos mais famosos para essa função são hub, switch e roteador.

Apesar de muitos conhecerem esses aparelhos de nome, nem todos sabem as principais diferenças entre eles, nem qual é mais vantajoso para cada situação.

Você tem dúvidas sobre as especificidades do hub, switch e roteador? Vamos explicar como cada um deles funciona no post de hoje!

Hub: feito para pequenas redes

O hub conecta redes locais de computadores, enviando os dados de uma máquina para outra de forma segmentada. Ou seja, quando um pacote é enviado, nenhum outro computador consegue emitir informações até que aquele pacote chegue à máquina receptora, liberando o tráfego para o próximo da fila.

Existem hubs de 8, 16, 24 e 32 portas e, em alguns casos, é possível conectar outro hub à rede para aumentar sua capacidade. É um equipamento adequado para redes pequenas, pois, como realiza o envio de dados em uma fila única, causa baixa performance quando conectado a muitos computadores.

Switch: a evolução do Hub

O switch realiza envio de pacotes de dados, assim como o hub. Entretanto, ele pode fazer isso de forma simultânea. Quando um computador quer enviar informações a outro, o switch cria um canal único de comunicação entre os dois pontos, evitando o congestionamento nas outras portas e melhorando consideravelmente a performance da rede.

Encontram-se switches de diversos modelos e com várias portas, assim como existem para seu irmão mais simples. Switches são recomendados para redes maiores e é muito comum vê-los em prédios de grandes empresas, pois eles oferecem o desempenho esperado para um grande fluxo de dados.

Roteador: para quem busca inteligência

Os roteadores são os equipamentos mais famosos de conexão para o público geral. Apesar de trabalharem quase da mesma maneira que o switch, ele faz isso de forma mais inteligente: além de criar um canal exclusivo entre emissor/receptor, o roteador busca as melhores rotas para enviar os dados.

Os roteadores estáticos sempre vão buscar a rota mais curta para enviar informações, mesmo que ela esteja congestionada. Já os roteadores dinâmicos sempre vão buscar a rota mais rápida de envio, ainda que ela seja mais longa. O primeiro é mais barato do que o segundo, portanto é preciso considerar a relação custo-benefício.

Além dessas características, os roteadores ainda conseguem conectar várias redes e podem ter configurações próprias de proteção, o que faz deles os equipamentos perfeitos para se conectar à internet.

Afinal, hub, switch e roteador: qual utilizar?

Para escolher entre esses três dispositivos, é necessário analisar o cenário em que a rede será instalada. Para uma rede pequena e local, o hub pode funcionar e é mais econômico.

Os switches garantem performances muito superiores nas redes locais e passaram por muitas evoluções nos últimos anos. Os roteadores interligam redes e têm desempenho muito eficiente, seja qual for o tipo adquirido.

Comprar o equipamento errado pode trazer prejuízo de dinheiro, trabalho e tempo. Por isso, sempre é recomendado buscar o máximo de informações possível sobre como cada um funciona e quais empresas oferecem esses produtos com qualidade no mercado.

E então, nosso artigo tirou as suas dúvidas? Vá além e descubra nesse como alavancar sua carreira de TI. Não deixe de conferir também os cursos especializados que oferecemos para ajudar você a alcançar o sucesso ainda mais rápido!